Transtornos mentais entre jovens profissionais

Escrito por Amanda Dias

em 14 de setembro de 2023

Inscreva-se para receber nossas novidades

Enviaremos novidades, promoções e muito conteúdo educativo todo mês com exclusividade.

O número elevado de casos de transtornos mentais indica alguns comportamentos que as empresas podem esperar de seus jovens profissionais e futuros talentos.

Transtornos mentais são condições encontradas em uma a cada sete pessoas no mundo, segundo dados publicados pela Agência Brasil, em maio deste ano. Nesta parcela, a maior porcentagem de casos de transtornos é referente a pessoas da geração Z, com idades entre 16 e 24 anos, configurando 14%.

Segundo uma pesquisa da London School of Economics, o custo de queda de produtividade atrelado a colaboradores com o transtorno de depressão custa US$78 bilhões por ano às empresas. O baixo interesse e pouca energia podem trazer problemas como o não cumprimento de prazos, falta de transparência com colegas e planejamento de projetos pouco eficientes. Outros sinais de depressão tem relação com o absenteísmo, falta de concentração, sumiço, e o desleixo da própria imagem.

Dados de transtornos mentais no Brasil

Em uma pesquisa divulgada pela Veja Saúde, 54% dos jovens brasileiros da geração Z reportaram piora da saúde mental após a pandemia. Essa mesma geração mostrou ser a que menos reconhece seus limites, e se sente bem consigo mesmo e com os outros. Além disso, apenas 14% reconhece que sabe lidar bem com as pressões do dia a dia. Outro dado relevante apontado na pesquisa, é que 26% dos jovens sentem-se ansiosos e com um grande desânimo para ações do dia a dia.

Esses dados mostram o quanto a nova geração precisa estar mais aberta a discussões de saúde mental para encarar suas dificuldades do dia a dia, mesmo encarando preconceito das gerações mais velhas. Psicólogos explicam que a maior aceitação do assunto pode vir de hipóteses como a complexidade e velocidade das informações, principalmente com a distorção da realidade trazida pelas redes sociais.

Além dos dados de jovens, o Datafolha concluiu que quase 10% das mulheres brasileiras também são mais suscetíveis a problemas mentais. O que se analisa são as causas para esses números, que podem ser mostrados em divergências sociais e culturais. Um exemplo disso, pode ser a carga de trabalho de mais de 7,5 horas a mais do que os homens na semana. Isso se deve ao fato de sua dupla jornada de trabalho, entre emprego e casa, além das pressões estéticas e comportamentais postas à elas, segundo o Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada).

O número elevado de casos de transtornos mentais indica alguns comportamentos que as empresas podem esperar de seus jovens profissionais e futuros talentos. 

Características de transtornos mentais

Dentre alguns sentimentos relatados em pesquisa divulgada pela BBC, a geração Z tem a tendência à baixa auto-estima, incluindo a sensação de serem pouco inteligentes, e terem baixo interesse e energia nas atividades do dia a dia. Além disso, muitos sentem a necessidade de se compararem aos colegas, assim como o imediatismo para já conquistarem frutos em suas carreiras profissionais.

Muitos desses profissionais, acabam encontrando algumas frustrações em suas jornadas profissionais, por isso, muitos acabam com sua saúde mental debilitada.

Depressão ≠ Burnout

As empresas devem ter cuidado ao interpretar comportamentos de colaboradores. É muito comum confundir sintomas de depressão com a onda que dominou o ano de 2022 do Quiet Quitting, ou até o Burnout. Dessa forma, a empatia e resiliência devem ser mais fortes que o estigma. As empresas devem tomar responsabilidade para entender como as suas culturas podem ajudar os colaboradores.

+ Veja agora 6 dicas para diminuir o seu turnover!

Transtornos Mentais: como as empresas podem ajudar?

A pesquisa realizada pela Mind Share Partner ‘s Mental Health, entendeu qual a responsabilidade que os colaboradores mais esperam das empresas. Com 1500 trabalhadores entrevistados, o principal ponto reconhecido tem relação com a criação de campanhas de conscientização sobre saúde mental. Outros tópicos se referem à informação da disposição de recursos, e a empatia com esses colaboradores. 

Em entrevista à Você RH, Soraya Bahde, Chief of People & Transformation Officer da Alelo, conta que “Nem todo funcionário tem repertório para entender pelo que está passando e buscar uma terapia fora da empresa”. Além de fornecer esse repertório, as empresas também têm a responsabilidade de guiar os colabores que têm colegas com transtornos mentais a serem mais empáticos. 

Outro problema que a força de trabalho vem enfrentando é em relação ao compartilhamento de transtornos mentais junto às empresas. Muitos recrutadores acabam não recomendando o compartilhamento de diagnósticos psiquiátricos em entrevistas de emprego, por exemplo. Outro exemplo, é a relação feita geralmente entre depressão e a diminuição da produtividade esperada. Muitas empresas podem minar a possibilidades de crescimento de colaboradores por terem certas concepções, o que é considerado uma violência à saúde laboral.

Esse estigma acaba gerando mais problemas para a relação das empresas com seus funcionários. Nas piores das ocasiões, pessoas com transtornos mentais podem ocultar suas condições, mentir sobre sua produtividade, e mascarar seus sentimentos. Alguns já sinalizam seus sentimentos e até contam pouco sobre suas condições aos colegas de trabalho. E na melhor das hipóteses, o colaborador pode ser transparente e até ser um ativista da causa no ambiente corporativo. Para isso, ele deve sentir que aquele ambiente é acolhedor para ele.

A Stratview separou algumas ações que as empresas podem adotar no tratamento de transtornos mentais de seus colaboradores.

Treinamento da liderança

Para facilitar o diagnóstico e tratamento, os líderes devem estar preparados para identificar traços de transtornos mentais em suas equipes. Além disso, devem se mostrar acolhedores a qualquer assunto relacionado à saúde mental, sem estigmas e preconceitos. É mais provável que os colaboradores que se sentirem acolhidos, tratem de seus problemas com o seu gestor direto antes de acionar o RH. 

Horário Flexível

Todas as pessoas se sentem mais cansadas do que o normal, um dia ou outro. Pessoas com depressão ou ansiedade podem ter um padrão de atividade mais condicionado aos acontecimentos do seu dia-a-dia, ou até terem crises baseadas em gatilhos. Além disso, por lei, todos têm o direito de saírem de seus expediente para realizar consultas médicas, por exemplo. Então por que não basear o serviço ao trabalho entregue e não necessariamente ao tempo trabalhado?

Trabalho em equipe

Pessoas com depressão tendem a se isolar cada vez mais de grupos sociais. Por isso, é essencial que as empresas prezem pelo trabalho conjunto, ou em debates de temas que não sejam relacionados apenas ao trabalho. Isso irá gerar um sentimento de confiança e pertencimento entre a sua equipe.

Divisão de projetos

Segundo a matéria da Você RH, “a depressão pode afetar as funções cognitivas do colaborador”. Por isso, vale dividir os projetos da área em várias partes, para que exista o sentimento de conquista após a finalização de cada etapa. Isso é a base teórica de várias metodologias ágeis aplicadas às empresas.

O mês de Setembro é conhecido pela campanha mundial de combate ao suicídio. Um em cada 100 óbitos tem como causa o suicídio, enquadrando a ação como uma das principais causas de morte no mundo. Dentre tantas outras causas, a depressão é o primeiro sinal de para se cometer suicídio.

Movimentos laborais no combate de transtornos mentais

Diversos movimentos laborais foram criados na tentativa de criar o padrão de trabalho mais ideal a cada contexto relacionado à saúde mental. 

Como vimos, o trabalho tem diferentes significados entre as gerações. Se entre as gerações mais antigas o trabalho era o que definia o valor de uma pessoa, vimos a sua prioridade em relação a ele. Já para as mais novas, o trabalho é apenas uma parte de suas vidas. 

Durante a pandemia, movimentos como A Grande Resignação ganhou forma nos Estados Unidos e depois no Brasil. O termo se refere a onda de pedidos de demissão em busca de melhores salários, flexibilidade e qualidade de vida. 

Nos países asiáticos, jovens questionam os valores tradicionais do trabalho carregados por suas famílias. O Tang Ping é traduzido para algo semelhante a “ficar deitado”, movimento que busca uma rotina mais tranquila e evita competições vorazes em busca de trabalhos em grandes empresas.

Outro movimento que ganhou muita repercussão ultimamente se chama “Lazy Job”. Ele também é um movimento que busca trabalhos menos estressantes. Iniciado no TikTok, a rede social do momento para geração Z, o termo ganhou notoriedade ao dar voz a pessoas que buscam equilíbrio entre vida pessoal e profissional.

Além disso, somando o aumento do valor de subsistência com salários baixos e rotinas de trabalho exaustivas, vemos que os jovens querem uma rotina mais alinhada com a sua realidade e saúde.

Mais do que falar, a nova geração toma atitudes para cuidar da sua saúde mental. Esses movimentos ao redor do mundo apontam uma tendência nos modelos de trabalho e nos profissionais do futuro.

Quem leu esse artigo também leu esses…

Participamos do Oracle Cloud World Tour São Paulo

Participamos do Oracle Cloud World Tour São Paulo

Oracle Cloud World Tour | No último dia 4 de abril, acompanhamos presencialmente o evento Oracle Cloud Word Tour São Paulo. Dentre os temas do universo da tecnologia em constante evolução, o evento abordou a necessidade e o diferencial de se manter atualizado. O...

Como abastecer a jornada de carreira dos estagiários

Como abastecer a jornada de carreira dos estagiários

Jornada de Carreira dos Estagiários | Ao se preparar para uma viagem, há uma lista de coisas que você precisa levar, como uma mala, uma garrafa de água e qualquer outra coisa que possa prepará-lo para a viagem. Porém, antes de fazer qualquer uma dessas coisas, é...

Workshop de Gestão de Tempo no GroupElephant.com

Workshop de Gestão de Tempo no GroupElephant.com

Na última sexta-feira (5), o time de People do GroupElephant.com realizou um Workshop de Gestão de Tempo para todos os colaboradores interessados no tema. Dentre os temas abordados, trouxemos pontos como pontualidade, observação, uso dos sentidos e planejamento...